Cinquenta anos de luta contra o subdesenvolvimento

 

A Companhia das Letras está trazendo de volta ao mercado editorial um dos maiores clássicos das ciências sociais brasileiras. Chega às livrarias este mês a edição comemorativa de 50 anos de Formação Econômica do Brasil, de Celso Furtado. Para marcar o lançamento, a editora promove nesta quinta-feira, 05 de novembro, em parceria com o Instituto de Estudos Brasileiros da USP, um debate com o historiador Fernando Novais, o economista Paul Singer e a ex-mulher de Celso Furtado, Rosa Freire D’Aguiar.

 

Publicado originalmente em 1959, Formação Econômica do Brasil apresenta as raízes profundas do subdesenvolvimento econômico do país. Mas não apenas isso: a obra é a mais importante contribuição de um intelectual que lutou a vida inteira para ajudar a nação a superar os entraves que barravam seu desenvolvimento autônomo.

 

Na época, Celso Furtado era um dos integrantes da Comissão Econômica para a América Latina (Cepal) e buscava aplicar os princípios do desenvolvimentismo pregados pela instituição à sua terra natal. Corria a década de 1950, e o Brasil ainda era o “país do futuro”. O governo de Juscelino Kubitschek prometia fazer com que a nação avançasse “50 anos em 5” e a promessa de se tornar uma economia avançada parecia uma realidade palpável.

 

Foi nesse contexto que Furtado publicou aquela que se tornaria sua obra-prima. Para o economista, o caminho rumo ao desenvolvimento pleno da economia passava por uma industrialização amparada por uma forte intervenção do Estado. O objetivo era superar o modelo agroexportador e criar no Brasil a infraestrutura necessária para a produção de bens até então importados.

 

As reformas defendidas por Furtado foram inicialmente adotadas pelos governos Juscelino Kubitschek, Jânio Quadros e João Goulart, mas com o golpe militar de 1964 a heterodoxia econômica passou a ser vista com suspeitas. A partir da década de 1980, o desenvolvimentismo caiu em total descrédito, abrindo espaço para a desindustrialização e um retorno parcial ao modelo agroexportador na década de 1990.

 

O livro de Celso Furtado volta às livrarias em um momento estratégico, em que, após mais de 20 anos de hegemonia neoliberal, o debate econômico no Brasil volta a abrir espaço para algumas teses desenvolvimentistas. É por isso que, mais de 50 anos após sua publicação, a obra continua sendo um instrumento fundamental na secular luta contra o subdesenvolvimento no país.   

 

Lançamento da edição comemorativa de 50 anos de Formação Econômica do Brasil

Quando: Quinta-feira, 05 de novembro, às 17h30

Onde: Instituto de Estudos Brasileiros – USP

Endereço: Avenida Professor Mello de Moraes, Travessa 8, nº 140 – Cidade Universitária – São Paulo, SP

Informações: 3091-1149

 

 

 

Por Bruno Fiuza

[ ver mensagens anteriores ]